7 de dez de 2009

História em Quadrinho



Interação dos pais com os portadores de Síndrome de Down

3 de dez de 2009

Como é o aspecto emocional no portador da Síndrome de Down?

Este artigo tem por objetivo discorrer a respeito do comportamento emocional
do Dowm na adolescência,Leia mais o artigo,acessando o link acima e comente.

Basicamente, pessoas jovens com Síndrome de Down querem e precisam do mesmo que jovens não-deficientes
querem e precisam:

• Um amigo – alguém com quem falar, com quem compartilhar coisas importantes.

• Certa dose de calor – alguém para tocar, alguém que através de gesto diga “gosto de você”.

• Aprovação – alguma mensagem de outras pessoas que lhe digam “você é legal”.

• Afeição – amor, e um sentimento de que são amados. Isto não quer dizer
necessariamente sexo.

• Dignidade – alguma comunicação por parte de terceiros dizendo que são pessoas de valor.

• Formas de “vazão” social – a fim de evitar a solidão.

• Satisfação sexual – a necessidade biológica de contato sexual e estimulação.

Fonte:www.projetodown.org.br/cartilha11.doc

30 de nov de 2009

Dia da Símdrome de Down e comenorado em todo o mundo

Olá!!! O texto fala sobre o Dia Internacional da Símdrome de Down. Tenha uma boa leitura e aproventem o Blog.
"23/03/2009
No último sábado, 21 de março, foi comemorado o Dia Internacional da Síndrome de Down. A data foi proposta pela Down Syndrome International como o dia 21 de março porque se escreve como 21/3 (ou 3-21), o que faz alusão à trissomia do cromossomo 21, responsável pela alteração genética. A primeira celebração foi em 2006.
Segundo dados estatísticos do IBGE, de 2000, o Brasil possui 300 mil pessoas com Síndrome de Down. Essa é uma ocorrência genética natural, que no País acontece uma vez a cada 700 nascimentos e está presente em todas as raças. Ainda não se conhece o motivo que faz com que, durante a gestação, o embrião desenvolva 47 cromossomos, ao invés de 46.
As pessoas portadoras da Síndrome apresentam retardo mental, que variam em grau, de leve a moderado, e alguns problemas clínicos associados. Existem três tipos de Síndrome de Down: a trissomia livre, que acontece em 92% dos casos, quando a constituição genética destes indivíduos é caracterizada pela presença de um cromossomo 21 extra em cada uma das suas células; o mosaicismo, presente de 2 a 4%dos casos, onde o cromossomo 21 extra não está presente em todas as células do indivíduo e a translocação, que soma 3 a 4% dos casos, quando o material genético sobressalente pode estar associado à herança genética e é muito raro. Neste último caso, todas as células têm 46 cromossomos, mas parte do material de um cromossomo 21 adere ou transloca para algum outro cromossomo".
Fontes: A Bengala Lega, UOL

26 de nov de 2009

RESENHA

SÍNDROME DE DOWN NA ADOLESCÊNCIA: A PERCEPÇÃO DE FAMILIARES E PORTADORES SOBRE A SEXUALIDADE

Esta resenha tem como objetivo abordar as percepções sobre a manifestação sexual dos adolescentes com a Síndrome de Down, sob o ponto de vista destes e de seus familiares. Para elaborar este trabalho o grupo realizou pesquisas em diversos artigos na internet. Entre todo o material pesquisado, destacamos para esta resenha os trabalhos de Flávia Cibele A. de Souza e Rosane M. Ramos (2002); Talita Borges Castelão, Marcio Ruiz Chiavio e Pedro Jurberg (2003); Lídia Moreira e Fábio Gusmão (2002).
O trabalho das pesquisadoras Flávia Cibele A. de Souza e Rosane M. Ramos (Souza & Ramos) incluiu a abordagem da compreensão dos adolescentes com a síndrome de Down e também de seus familiares. Para elas, a família apresenta dificuldades em lidar com a sexualidade dos filhos e estas podem ter origem em formas diversificadas, como no grau de interação familiar, nas relações sociais e em certos preconceitos. Entretanto, a característica mais marcante se refere ao fato de estes pais enxergarem seus filhos como crianças. Essa visão não desperta na família a sua condição de responsável pela orientação sexual destes jovens, consolidando o seu próprio desconhecimento e inibindo a compreensão daqueles sobre a própria sexualidade.
Em relação ao ponto de vista dos filhos, elas demonstraram seu interesse por sexo ao dizerem que “quanto ao comportamento sexual, geralmente há interesse no sexo oposto, porém isso ocorre de forma passiva, a aproximação é infantilizada e raramente há tentativa de relacionamento heterossexual propriamente dito”. Para as autoras, “a sexualidade é um atributo de todo ser humano”, devendo ser compreendida e orientada. Além disso, o fato de crianças e pessoas portadoras de deficiência não incorporarem seu papel sexual, não significa que sejam homossexuais. Souza & Ramos também mostram que adolescentes com a síndrome possuem as mesmas necessidades de afeto e carinho que os jovens em geral, nesse caso, a relação adolescência e sexualidade pode ser mais conflituosa para os que possuem a doença devido a condições previamente estabelecidas e por vezes, distorcidas. Uma diferença básica entre ambos é observada na capacidade de se expressar e compreender o que ocorre em seu mundo. Tais limitações restringem sua compreensão sobre a própria sexualidade, dificultam a forma com que lidam com os fatos decorrentes e geram incompreensão. Apesar disso, a desorganização mental que submete as pessoas com SD a essa dificuldade de se expressar e se adequar às situações sociais não elimina sua capacidade de se expressar sexualmente.
O objetivo do trabalho de Talita Borges Castelão, Marcio Ruiz Chiavio e Pedro Jurberg, foi identificar como as pessoas com SD percebem sua própria sexualidade. Foram pesquisados grupos focais com três grupos: pais, profissionais e portadores da síndrome. No tocante à sexualidade, a pesquisa diz que “tanto pais (58,13%) como profissionais (71,83%) afirmaram considerarem a sexualidade da pessoa com SD semelhante à de outras pessoas”. Outras respostas observadas, mas com percentuais muito discretos e pouco significativos, se referiram à inexistência de sexualidade e à existência desta ligada à necessidade de reprimi-la. Conforme os números indicaram, a aceitação da sexualidade entre os indivíduos com SD é maior entre os profissionais do que entre os seus familiares. Entre os grupos focais a discussão sobre sexualidade trouxe outras particularidades: o constrangimento dos pais em lidar com o assunto e a ausência de práticas educativas na relação com os filhos. Nesse contexto, os entrevistados também opinaram sobre uma característica dos portadores da SD: a masturbação. Por inexistir uma postura educativa por parte dos pais sobre a temática, estes consideram o ato ofensivo e adotam a repressão. Enquanto isso, inclusive pela ausência dessa orientação, os indivíduos desconhecem qualquer limite e adequação social e acabam vivenciando situações socialmente inadequadas.
A pesquisa também deixa evidente a falta de percepção dos pais em relação à sexualidade dos filhos, conforme depoimento: “eu não percebo nada em relação ao sexo...ela nem faz perguntas sobre isso”. Os autores também corroboram o entendimento de Souza & Ramos, a respeito do perfil infantil dos filhos, consolidado pelos pais.
Essa percepção sobre a sexualidade se modifica totalmente quando as pessoas com SD são ouvidas: “às vezes me chamam para o banheiro, mas eu digo que só casando para fazer amor”. Entre os profissionais entrevistados, aqueles que atenderam pessoas afetadas demonstraram perceber a presença de desejo pela relação sexual e por informações relacionadas à gravidez e a doenças sexualmente transmissíveis. Desse modo, percebemos grande divergência de opinião entre familiares e portadores da síndrome, denotando a existência de uma ‘ilha’, ou seja, da ausência de compartilhamento, de sensibilidade e de compreensão sobre esta realidade.
A pesquisa de Lília Moreira e Fábio Gusmão registra que a sexualidade dos afetados não difere qualitativamente das demais. Entretanto, um posicionamento singular em relação aos outros autores, é que consideraram os diferentes níveis de maturidade e adequação dos indivíduos. Assim, afirmam que a ocorrência de níveis de retardamento diferenciados influencia a capacidade de lidar com seus impulsos sexuais. Essa colocação dos autores nos leva a considerar o efeito da genética na percepção sexual dessas pessoas, uma vez que condições mais graves acarretam na privação ou limitação para compreender e manifestar sua sexualidade.
Baseados nessa variação dos níveis da doença e na conseqüência desta sobre o comportamento do indivíduo, os autores apresentaram opinião diferenciada sobre a atitude repressora dos pais. Para eles, é compreensível que familiares de afetados mais graves procurem inibir o seu desenvolvimento emocional e sexual em função de se sentirem ameaçados pela sua dificuldade em conter as manifestações sexuais.
Diante da proposição dos pesquisadores, concluímos que a manifestação sexual entre os adolescentes com a SD é igual à observada entre os jovens saudáveis, todavia, seu comportamento é diferenciado daqueles por fatores como o grau da doença, a precariedade no nível de informação que recebem e pela sua impulsividade. Além disso, entendemos que a concepção dos familiares e dos adolescentes portadores da síndrome de Down sobre a sexualidade é bastante divergente. Enquanto as manifestações sobre o desejo de carinho e de sexo são demonstradas pelos adolescentes, a maioria dos familiares prefere ignorar tal sentimento.

Bibliografia

Castelão, Talita B; Chiavio, Márcio R; Jurberg, Pedro. Sexualidade da Pessoa com síndrome de Down. Revista da Saúde Pública. p. 32-39. 2003. Disponível em:
http://www.scielo.br/pdf/rsp/v37n1/13542.pdf. Acesso em 14/11/2009.

Moreira, L; Gusmão, F. Aspectos Genéticos e sociais da sexualidade em pessoas com síndrome de Down. Revista Brasileira de Psiquiatria. p. 94-99. 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbp/v24n2/a11v24n2.pdf. Acesso em 18/11/2009.

Souza, Flávia C. A; Ramos, Rosane M. A Intervenção dos pais com relação ao desenvolvimento da sexualidade dos portadores da síndrome de Down. Belém do Pará. Centro de Ciências e Biológicas e da Saúde da Universidade da Amazônia. 2002. Disponível em: http://www.nead.unama.br/site/bibdigital/
monografias/INTERVENCAO_PAIS_RELACAO_DESENVOLVIMENTO_SEXUALIDADE.PDF. Acesso em: 15/11/2009.

25 de nov de 2009

PRÉ-PROJETO

Introdução:
A fase da adolescência possui algumas características como o conflito, inquietações e mudanças. Um ponto que se destaca nesse período é o interesse que estes jovens começam a nutrir pelo sexo e, conseqüentemente, a ocorrência das primeiras experiências sexuais. Nesse momento os adolescentes percebem que estão deixando a fase infantil para trás e os pais notam o desenvolvimento dos filhos. Nossa pesquisa se dedica a investigar se os adolescentes portadores da síndrome de Down – e seus pais (familiares) - têm percepção sobre a sua sexualidade.

Objetivos:
Geral
Conhecer a percepção que os familiares e os portadores da síndrome de Down possuem de sua sexualidade na fase da adolescência.

Específicos
1- Verificar se ocorre a manifestação sexual entre os adolescentes com a síndrome de Down;
2- Descobrir se os adolescentes com a síndrome de Down reconhecem sua sexualidade;
3- Observar como os pais (ou familiares) lidam com os aspectos sexuais, caso presentes, na vida dos adolescentes afetados.

Justificativa:
A escolha pelo tema desta pesquisa ocorreu devido ao interesse do grupo em investigar sobre a síndrome de Down e suas particularidades. A abordagem da doença a partir da sexualidade é uma forma de o grupo conhecer e divulgar os aspectos comportamentais ligados a essa esfera da vida humana.

Metodologia:
A pesquisa será bibliográfica. Serão utilizadas técnicas de leitura de artigos sobre o tema na internet – um instrumento que acrescenta diversidade na pesquisa e é de fácil acesso aos integrantes do projeto.

Cronograma:
Pesquisa e leitura da resenha literária................................................mês 08/09/10 e11
Estudo da bibliografia........................................................................mês 08/09/10 e 11
Análise dos dados..............................................................................mês 11
Redação da resenha...........................................................................mês 11
Entrega..............................................................................................mês 11

Referência Bibliográfica:

Wikipédia. Pesquisa. Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Pesquisa. Extraído em 20/11/2009.

Síndrome de Down: ministro recebe atores

Materia divulgada pelo Ministério da Saúde sobre a sindrome aproveitem mais a leitura acessando o link acima.

Síndrome de Down: ministro recebe atores

Foto: Júlio César PaesAtores, pais e membros da organização não-governamental Instituto Meta Social reuniram-se na tarde desta quarta-feira, 21, com técnicos do MEC e com o ministro da Educação, Fernando Haddad, a fim de despertar a atenção da sociedade para a inclusão de pessoas com síndrome de Down nas escolas.

Em relato pessoal e emocionado, o ator Rafael Almeida ratificou as palavras do ministro, ao contar como sua vida mudou depois de estudar com colegas especiais, numa escola pública, durante a adolescência.

fonte: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=7836&catid=205




Amor e Sexo entre portadores da SD

Caros,

segue link sobre um texto interessante sobre o amor, sexo e diversão entre as pessoas com a síndrome.

http://www.portadeacesso.com/artigos_leis/sex/sex004.htm